Blog

Catequese do Papa Francisco: as mudanças na Igreja sem oração não são mudanças na Igreja. São mudanças de grupo

14.04.21
Destaques

Catequese do Papa Francisco: as mudanças na Igreja sem oração não são mudanças na Igreja. São mudanças de grupo

“A Igreja é uma grande escola de oração. Muitos de nós aprendemos a silabar as primeiras orações enquanto estávamos no colo dos pais ou dos avós. Talvez conservemos a memória da mãe e do pai que nos ensinavam a recitar as orações antes de dormir. Estes momentos de recolhimento são frequentemente aqueles em que os pais ouvem algumas confidências íntimas dos filhos e podem dar os seus conselhos inspirados pelo Evangelho”, frisou o Pontífice em sua catequese.

 

“A Igreja mestra de oração” foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral, desta quarta-feira (14/04), realizada na Biblioteca do Palácio Apostólico.

“A Igreja é uma grande escola de oração. Muitos de nós aprendemos a silabar as primeiras orações enquanto estávamos no colo dos pais ou dos avós. Talvez conservemos a memória da mãe e do pai que nos ensinavam a recitar as orações antes de dormir. Estes momentos de recolhimento são frequentemente aqueles em que os pais ouvem algumas confidências íntimas dos filhos e podem dar os seus conselhos inspirados pelo Evangelho”, frisou o Pontífice.

A seguir, o Papa recordou que “no caminho do crescimento, há outros encontros, com outras testemunhas e mestres de oração”.

A vida de uma paróquia e de cada comunidade cristã é cadenciada pelos tempos da liturgia e da oração comunitária. Aquele dom, que na infância recebemos com simplicidade, compreendemos que é um patrimônio grande e muito rico, e que a experiência da oração merece ser aprofundada cada vez mais. O hábito da fé não é engomado; desenvolve-se conosco, até através dos momentos de crise e ressurreição. Aliás, não é possível crescer sem os momentos de crise. A crise faz crescer. Entrar em crise é uma maneira necessária para crescer.

“O sopro da fé é a oração: crescemos na fé tanto quanto aprendemos a rezar. Depois de certas passagens da vida, compreendemos que sem fé não poderíamos ter bom êxito e que a oração foi a nossa força. Não só a oração pessoal, mas também a dos irmãos e irmãs, e da comunidade que nos acompanhou e apoiou”, sublinhou Francisco.

Tudo na Igreja nasce na oração

“Também por este motivo na Igreja florescem continuamente comunidades e grupos dedicados à oração. Alguns cristãos sentem até o chamado de fazer da oração a ação principal dos seus dias. Na Igreja existem mosteiros, conventos e eremitérios onde vivem pessoas consagradas a Deus e que muitas vezes se tornam centros de irradiação espiritual, comunidades de oração que irradiam espiritualidade. Pequenos oásis em que se partilha uma oração intensa e se constrói a comunhão fraterna dia após dia. Trata-se de células vitais, não apenas para o tecido da Igreja, mas para a própria sociedade. Tudo na Igreja nasce na oração, e tudo cresce graças à oração. Quando o Inimigo, o Maligno, quer combater contra a Igreja, o faz primeiro procurando secar as suas fontes, impedindo-as de rezar”, disse ainda Francisco, acrescentando:

Por exemplo, vemos isso em certos grupos que concordam em realizar reformas eclesiais, mudanças na vida da Igreja, organização, e os meios de comunicação que informam. Mas a oração não se vê, não se reza. Devemos mudar isso, temos que tomar decisões um pouco fortes. É interessante a proposta. É interessante! Somente com discussão, somente com a mídia. Mas onde está a oração? A oração abre a porta ao Espírito Santo que inspira a ir adiante. As mudanças na Igreja sem oração não são mudanças na Igreja. São mudanças de grupo. E quando o Inimigo – como eu disse – quer lutar contra a Igreja, o faz primeiro tentando secar suas fontes, impedindo-as de rezar e fazer outras propostas.

Lâmpada da fé acesa enquanto houver o óleo da oração

No Evangelho de Lucas, Jesus apresenta uma pergunta dramática que nos faz sempre refletir: «Quando vier o Filho do Homem, encontrará fé sobre a terra?» ou encontrará apenas organizações, como um grupo de empresários da fé, todos bem organizados, que fazem beneficência, muitas coisas ou encontrará fé? “Podemos concluir que a lâmpada da fé estará sempre acesa na terra, enquanto houver o óleo da oração“, disse ele.

É o que leva adiante a fé e leva adiante a nossa vida pobre, frágil e pecadora, mas a oração a leva adiante com certeza. Uma pergunta que nós, cristãos, devemos nos fazer é: eu rezo? Rezamos? Como rezo? Como papagaio ou rezo com o coração? Rezo com a certeza de que estou na Igreja ou rezo um pouco de acordo com minhas ideias e faço com que minhas ideias se tornem oração? Esta é uma oração pagã, não cristã. Repito: podemos concluir que a lâmpada da fé estará sempre acesa na terra enquanto houver o óleo da oração.

“Esta é uma tarefa essencial da Igreja: rezar e educar para rezar. Transmitir de geração em geração a lâmpada da fé com o óleo da oração. A lâmpada da fé que ilumina, arruma realmente as coisas como são, mas só pode ir adiante com o óleo da fé. Ao contrário, se apaga.Sem a luz desta lâmpada, não poderíamos ver o caminho para evangelizar; não poderíamos ver os rostos dos irmãos dos quais nos devemos aproximar e servir; não poderíamos iluminar a sala onde nos encontramos em comunidade. Sem fé, tudo se desmorona; e sem a oração, a fé se extingue. Por isso a Igreja, que é casa e escola de comunhão, é casa e escola de oração”, concluiu.

Mariangela Jaguraba – Vatican News